Semana da Consciência Negra terá programação especial em Açailândia 

Uma das novidades da programação deste ano é o lançamento do novo espetáculo do grupo de Matriz Africana Afixirê

CIDADES A equipe do CDVDH/CB a cada ano decide uma temática a ser trabalhada na Semana de Consciência Negra.
Reprodução/A equipe do CDVDH/CB a cada ano decide uma temática a ser trabalhada na Semana de Consciência Negra.
Daniela Souza

Daniela Souza
Quinta-feira, 08 de Novembro de 2018

A Semana da Consciência Negra é um marco das manifestações culturais em todo o país. No Maranhão, a Semana será feriado no dia 20 de novembro como forma de intensificar ainda mais as ações em favor da valorização da cultura afro-brasileira.  Em Açailândia, a Semana da Consciência Negra tem programação especial há 10 anos. Além da valorização, o evento tem o objetivo de disseminar a cultura de matriz africana, é o que explica a coordenadora do setor de Formação Cidadã do Centro de Defesa da Vida e dos Direitos Humanos/Carmen Bascarán (CDVDH/CB) de Açailândia, Yoná Luma Campos.  

“Nós entendemos que a história do Brasil em quanto país negro, mas que ainda assim é um país racista, discriminatório, além de misógino e machista. Para nós é importante trazer as bases do povo negro na construção dessa sociedade e trabalhar também o empoderamento negro em todas as suas amplitudes”. 

Uma das novidades da programação deste ano é o lançamento de nova performance coreografica do grupo de Matriz Africana Afixirê. Este ano, o grupo construiu uma performance coreográfica que faz um paralelo entre a escravidão antiga e contemporânea simultaneamente, além de mostrar que apesar da passagem do tempo a escravidão perdura.  

“Todas as turmas prepararam trabalhos voltados a cultura de matriz africana, além da temática de violência contra a mulher, no qual também fazemos o recorte do empoderamento da mulher negra e todas as suas batalhas dentro de uma sociedade machista e racista”, explica Yoná Luma. 

Temática 

A equipe do CDVDH/CB a cada ano decide uma temática a ser trabalhada na Semana de Consciência Negra. Nessa décima edição, o tema será UBUNTU, uma nomenclatura que carrega o significado de irmandade. “Eu sou porque nós somos, representa nossa fé na arte e na cultura, como mecanismos de libertação, de conscientização e educação para a construção de uma sociedade mais justa, fraterna e igualitária. Enfatizamos também que a Consciência Negra é preciso ser valorizada da forma que se diz em seu nome”, enfatiza a coordenadora.   

Yoná aproveita para expor a importância de criar programação especial na semana da Consciência Negra e evidencia a relevância da temática para o Brasil. “Vivemos em um país que apenas perde para o Continente Africano na população negra. Temos o povo negro como um povo massacrado durante a história, através do processo de escravidão e que por esse motivo ainda hoje sofre consequências diversas”, afirma. 

Destaca ainda que é preciso refletir e compreender esse processo para que também as pessoas entendam a história e aprendam a respeitar e valorizar as lutas diárias de um povo, que mesmo sofrendo tantas barbáries, contribue de maneira efetiva com a construção do país.  

“O povo deve manter viva sua identidade, cultura e fé, isso é ter consciência negra e, é por meio da resistência do povo negro que aprendemos a ser melhor e entendemos que dentro da filosofia UBUNTU, é preciso dizer cada vez mais forte que nossa construção é coletiva visando o bem comum, afinal somos quem somos porque somos todos/as nós”, finaliza. 

Vídeo do grupo Afixirê. Seu último espetáculo. 

 
VEM AÍ...

VEM AÍ... NA GIRA DO MUNDO AGENDEM-SE DIA 13 DE NOVEMBRO. DIREÇÃO GERAL: Xico Cruz DIREÇÃO COREOGRÁFICA: Tharles Ponciano, Leidiane Souza e Yonná Luma

Posted by Grupo Afixirê on Tuesday, October 3, 2017

 

Instagram @correioma