Inauguração de bosque homenageará Dona Raimunda Quebradeira de Coco

O local, que abrirá as portas a partir do dia 14, vai celebrar a trajetória e luta social de Dona Raimunda

HOMENAGEM Reprodução Inauguração de bosque homenageará Dona Raimunda Quebradeira de Coco
Hyana Reis

Hyana Reis
06/05/2019 13:00 atualizado em 06/05/2019 13:50

Dona Raimunda Quebradeira de Coco será homenageada com inauguração de um bosque na casa do cantor e compositor Zeca Tocantins. Localizado na Bela Vista (TO), às margens do rio, o local será inaugurado no dia 14 de maio, em uma festa que promete reunir artistas da região.

O local contará com um espaço com obras de arte de Tony Grafite homenageando Dona Raimunda, além de uma placa parabenizando por sua luta, segundo informações dos organizadores. O objetivo é celebrar a trajetória da quebradeira de coco.

"É uma pequena homenagem na esperança que os gestores de nossa região reconheça a importância dessa senhora", explica Zeca Tocantins, que abrirá as portas de sua casa para o público que tiver interesse em participar da programação de homenagem à Dona Raimunda.

A cerimônia, que acontecerá a partir das 17h do dia 14, contará com apresentação da trajetória de Dona Raimunda, além de shows de artistas como Erasmo Dibell, Pedrinho Callado, Alberto Sampaio, entre outros. Estudantes do município de Sítio Novo também participarão com apresentação da dança do coco.

O local será inaugurado no dia 14 de maio. (Divulgação: Zeca Tocantins)

A trajetória de Dona Raimunda

Raimunda Gomes, conhecida como Raimunda Quebradeira de Coco, morreu em novembro do ano passado, deixando uma trajetória de lutas e conquistas direitos das mulheres extrativistas, as Quebradeiras de Coco babaçu. 

Ela, que sofreu maus tratos e foi abandonada pelo marido com seis filhos, se mudou do interior do Maranhão para o Tocantins, onde foi uma das fundadoras do movimento interestadual das quebradeiras. 

Sua militância social tornou possível a ‘Lei do Babaçu Livre’, que proíbe a derrubada de palmeiras de babaçu, e permite que as quebradeiras possam extrair o fruto das palmeiras mesmo em propriedades privadas. 

Em 2015 chegou a ser uma das 1.000 mulheres indicadas coletivamente ao Nobel da Paz. Com essas e outras conquistas, se tornou referência na luta em defesa dos direitos camponeses e trabalhadoras rurais e exemplo de liderança feminina.
 

Instagram @correioma