Cram oferece às mulheres a programação Tarde Com Elas

As assistidas pelo Centro de Referência e Atendimento à Mulher, Cram, aproveitaram a tarde de atividades

IMPERATRIZ Patrícia Araújo Cram oferece às mulheres a programação Tarde Com Elas

Assessoria
09/03/2019 08:30 atualizado em 09/03/2019 09:56

Em clima descontraído, foi oferecida na tarde de sexta-feira, 8, a programação Tarde Com Elas, às mulheres assistidas pelo Cram, na própria sede do Centro. O momento contou com roda de conversa sobre o enfrentamento à violência contra a mulher e empoderamento feminino. Também foram sorteados prêmios às participantes e ao final, foi servido um lanche. Esta atividade é realizada desde o ano passado, em comemoração ao Dia Internacional da Mulher.

Na manhã deste dia especial e de luta contra a violência doméstica, foi oferecida pela empresa Credishop, para as participantes das ações da Semana Imperatrizense da Mulher, um conjunto de orientações de defesa pessoal. A secretária de Políticas para Mulher, Edna Ventura, ressaltou a importância do serviço oferecido pelo Cram.

“Elas passam por um período de acompanhamento até se sentirem mais fortalecidas para dar sequência à rotina delas. Este é um momento de comemorar com elas, para que mesmo quando elas não precisarem mais do serviço do Cram, possam ter o sentimento de que o Cram é uma casa acolhedora”, destacou a secretária.

Edna lembra que, somente no ano passado, 370 mulheres foram atendidas pelo Centro. Ao fornecer transporte para buscar e deixar as assistidas, a secretaria incentiva a pela participação. A usuária E.F. da C. conta que precisou do apoio do Centro, desde novembro no ano passado, quando, após divorcia-se do marido, passou a ser perseguida por ele. Ela registrou um boletim de ocorrência na Delegacia da Mulher e foi encaminhada aos serviços do Cram. “Quem precisar venha para receber o acompanhamento necessário, eu estou me sentindo muito bem com a assistência que recebo aqui, minha autoestima está cada vez mais elevada”, destacou a assistida.

Com os olhos marejados, a usuária V. S. S. L. falou da dor de viver com o atual companheiro, que a violenta verbalmente e psicologicamente. Ela conta que passa por opressão e xingamentos diários e a situação tem a afetado de forma devastadora, mas que, no Cram, encontrou um alento há cerca de três meses. “Hoje tenho me sentido mais corajosa, aqui fui muito bem recebida. Até consegui recentemente uma oportunidade de emprego, o que vai me possibilitar sair da situação em que me encontro”, disse V. S. S. L..

Às que tiverem interesse nos serviços do Cram, o Centro fica localizado na Rua Sousa Lima, 54, Centro. 

*Foram utilizadas as iniciais dos nomes das vítimas para resguardar as identidades.

Instagram @correioma