CRAM de Imperatriz registrou 375 atendimentos de violência em 2018  

O CRAM existe desde 2009 e em sete anos 821 mulheres foram acompanhadas pela instituição, destas, 135 somente em 2017

IMPERATRIZ Reprodução CRAM de Imperatriz registrou 375 atendimentos de violência em 2018  
Daniela Souza

Daniela Souza
11/01/2019 15:30 atualizado em 11/01/2019 16:20

Cerca de um caso por dia de violência contra a mulher ocorreu em Imperatriz e região em 2018. É o que aponta os dados registrados pelo Centro de Referência à Mulher (CRAM) de Imperatriz, criado para atender mulheres da região que foram violentadas.  

Os registros apontam 375 casos de violência contra a mulher em 2018. Os procedimentos envolvem acompanhando psicológico e assistência, alguns casos foram enviados as instituições dos próprios municípios, explica a assistente social e coordenadora da instituição, Sueli Brito.  

“Os atendimentos se referem a mulheres que sofreram diversas formas de violência, entre elas, casos de estupro”, ressalta Sueli. O CRAM existe desde 2009 e em sete anos 821 mulheres foram acompanhadas pela instituição, destas, 135 só em 2017. 

Dados nacionais 

Após sancionada a Lei Maria da Penha, em 2006, cerca de 73 mil denúncias foram atendidas em 2018 por meio do telefone 180. Em agosto do ano passado a Lei completou 12 anos. Mesmo assim, os casos de feminicídios aumentaram em todas as regiões do país.  

As principais agressões denunciadas são as de cárcere privado, violência física, psicológica, obstétrica, sexual, moral, patrimonial, tráfico de pessoas, homicídio e assédio no esporte. As denúncias também podem ser registradas pessoalmente nas delegacias especializadas em crime contra a mulher. 

Instagram @correioma