Campanha de combate à hanseníase acontece em Açailândia

Em entrevista a uma rádio do município, a secretária de saúde afirmou que os índices de ocorrências da hanseníase são alarmantes

CIDADES Reprodução Campanha de combate à hanseníase acontece em Açailândia
Daniela Souza

Daniela Souza
10/01/2019 16:30 atualizado em 10/01/2019 17:37

Com campanha nacional agendada para o dia 28 deste mês, em Açailândia iniciam os preparativos para intensificar os atendimentos a pacientes ou pessoas que desejam realizar o teste. De acordo com a coordenadora do Programa Municipal de Controle da Hanseníase, Jaqueline de Jesus, serão desenvolvidas várias ações.  

Durante a programação estão previstos esclarecimentos e diagnósticos da doença que serão desenvolvidas nas Unidades Básicas de Saúde. A secretária do departamento, Kerly Cardoso, afirma que os índices de ocorrências da hanseníase no município são alarmantes e precisa ser feito um trabalho efetivo de combate à doença.  

“Esta campanha veio calhar num momento em que a comunidade precisar saber de mais informações de como evitar e se prevenir desta enfermidade. A data reforça o compromisso em controlar a hanseníase, oferecer o diagnóstico e o tratamento correto, além de difundir informações e desfazer o preconceito”, explica Kerly. 

Segundo ela, mais de 200 profissionais de saúde estarão envolvidos na campanha que ocorre até o fim deste mês em Açailândia. Durante o ‘Janeiro Roxo’ serão promovidas campanhas e ações educativas sobre a doença, além de reuniões com empresários e comerciantes com o objetivo de combater doenças dentro dos seus estabelecimentos junto a funcionários. 

O Dia Nacional de Combate e Prevenção da Hanseníase é celebrado no próximo dia 28.  A hanseníase, conhecida também como lepra, é uma doença infectocontagiosa causada por uma bactéria denominada Mycobacterium leprae. 

A doença não é hereditária e sua evolução depende de características do sistema imunológico da pessoa que foi infectada. Ela costuma evoluir lentamente e pode levar até 20 anos para que sinais e sintomas da infecção sejam detectados. O tratamento com medicamentos evita o contágio e a cura, se diagnosticado a tempo.

Com informações da assessoria

 

Instagram @correioma