BR 135 Instrumental pega a estrada e chega a Imperatriz

Nos dias 11 e 12 de outubro o BR Instrumental vai ocupar a Concha Acústica da principal cidade do sul do Maranhão

FESTIVAL Divulgação BR 135 Instrumental pega a estrada e chega a Imperatriz

Assessoria
02/10/2019 10:09 atualizado em 02/10/2019 10:12

O BR Instrumental realiza sua segunda edição fazendo a conexão entre a BR-135 e a BR-010 para chegar a Imperatriz nos dias 11 e 12 de outubro, com shows na Concha Acústica da Beira Rio (Beirosa). O festival reunirá Bixiga 70, ATR, Guitarrada das Manas, Camarones Orquestra Guitarrística e Manoel Cordeiro, Luh del Fuego e Las Pupilas Dilatadas, além de atrações locais: Maranhão Musical, Chiquinho França, Sonia Guajajara e Orquestra Sanfônica Acordes do Campestre.   

Nas pickups, o Forró Red Light, além de performances da Trupe de Habilidades Circenses, Jô Peteleco e da poeta Lilia Diniz, e discotecagem das DJs Sandra Marley e Juliana Alba. Toda a programação é gratuita e a concepção é da dupla Criolina, formada por Luciana Simões e Alê Muniz. O II BR 135 Instrumental é uma realização do Ministério da Cultura com patrocínio do Atacadão. A programaçã o completa está disponível no site  www.festivalbr135.com.br.

O evento estreou em 2017 como uma primeira etapa do Festival BR135 daquele ano, quando ocupou o Mercado das Tulhas e o palco da Praça Nauro Machado, em São Luís. E agora, para esta segunda edição, sai da ilha rumo ao sertão. “É a primeira ação do festival fora da capital maranhense, movimento natural de um projeto que nasceu com o propósito de movimentar a cena local por meio da troca de experiências com os diversos setores do mercado da música, construindo pontes e diálogos”, afirma Alê Muniz.

A intenção é aproximar esses dois universos culturais: o de São Luís, ilha com forte influência das marés e dos sotaques do bumba-meu-boi, do reggae e do tambor de crioula; e o de Imperatriz, sul do Maranhão, cidade banhada pelo rio Tocantins, um Maranhão do sertão, da sanfona, das fanfarras e das quebradeiras de coco.

“Mais do que um festival de música, esta edição será um painel de vivências da cultura amazônica do Brasil profundo, com forte influência indígena, que se reflete na música e também em diversas manifestações”, afirma Luciana.

História – O BR135 começou em 2012, no Circo da Cidade, com shows de bandas locais, na base da colaboração. No ano seguinte teve duas edições na praia e dois shows no Teatro Artur Azevedo, em homenagem a dois marcos da música maranhense: o álbum Bandeira de Aço (Edições Marcus Pereira, 1978) e João do Vale 80 Anos.

Um ano depois o festival ocupou definitivamente o centro histórico da capital maranhense, em dobradinha com a etapa formativa do evento, o Conecta Música. A programação conta com palestras, workshops, oficinas e rodada de negócios.

Nesses sete anos passaram pelos palcos do BR135, entre outros, Arnaldo Antunes, Siba, Céu, Curumim, Mombojó, Felipe Cordeiro, Dona Onete, Criolina, Baiana System, Pinduca e Orquestra Brasileira de Música Jamaicana, além de mais de 40 bandas selecionadas por um edital aberto para artistas de todo o país. Em 2018 o festival reuniu mais de 70 mil pessoas no centro histórico de São Luís.

PROGRAMAÇÃO
Dia 11 – sexta-feira
18h - Maranhão Musical
18h30 – DJ Sandra Marley
19h – Lilia Diniz (poeta)
19h30 - Chiquinho França in Concert
20h30 – Forró Red Light
22h - ATR
23h - Bixiga 70

Dia 12 - sábado
17h30 – Trupe de Habilidades Circenses e DJ Juliana Alba
18h30 – Pipoca e Poesia com Jô Peteleco
19h – DJ Juliana Alba
19h30 – Orquestra Sanfônica Acordes do Campestre
20h30 – Sônia Guajajara
21h – Luh del Fuego e Las Pupilas Dilatadas
22h – Guitarrada das Manas
23h – Camarones Orquestra Guitarrística  e Manoel Cordeiro

Instagram @correioma