Após 55 horas viajando, Comercial-MA derrota o Botafogo-RJ

Jogadores maranhenses tiveram problemas durante a viagem, com o ônibus enguiçando, mas conseguiram superar dentro de campo

FUTEBOL O cansaço da viagem não foi suficiente para tirar o bom astral dos meninos maranhenses.
Pedro Venâncio/O cansaço da viagem não foi suficiente para tirar o bom astral dos meninos maranhenses.

GE Maranhão
Terça-feira, 09 de Outubro de 2018

No Brasil, o sonho de ser jogador de futebol é alimentado desde cedo no imaginário de todas as crianças. Mas começa a ganhar corpo no Sub 14, quando as grandes primeiras competições nacionais são disputadas. Em campo, 32 equipes do Brasil e do exterior, e na bola, a tradição às vezes dá espaço para a zebra. Foi o caso que aconteceu nessa segunda-feira (8), quando o modesto Comercial-MA derrotou o Botafogo-RJ por 2 a 0, pelo Campeonato Brasileirinho.

Os maranhenses, que treinam em São José de Ribamar, cidade localizada na Ilha de São Luís, passaram uns bons perrengues para chegar em Betim, local de jogo. Foram ao todo 55 horas de viagem de ônibus. Seis delas perdidas porque o veículo enguiçou nas proximidades de Imperatriz. Chegaram na madrugada do domingo, descansaram um dia e foram para o campo.

Gols

Nas quatro linhas se valeram da força física para derrotar o Botafogo. O atleta camisa 11, Amorim, roubou uma bola do goleiro para marcar o primeiro gol e depois sofreu o pênalti do segundo, marcado por Jaime, o centroavante. A vantagem foi aberta no primeiro tempo e depois o time se segurou aproveitando-se da força física de seus jogadores para conseguir a vitória, muito comemorada pelos jogadores e pelo técnico Eugênio Junior. – “Esse jogo nós começamos a vencer bem antes. Vi cinco horas de partida desse time do Botafogo e nos preparamos para vencer em cima do ponto fraco deles, que era a falta de velocidade na defesa. Deu certo, e agora vamos partir para conquistar o título”.

Para Amorim, o gol marcado é a realização de um sonho. O atacante, que chegou ao clube como lateral-direito, está no nono ano do ensino fundamental e estuda em um colégio militar. Luta diariamente pelo sonho, mas também tem os pés no chão, próprios de quem sabe que a realidade pode apontar outros caminhos. E é indeciso em relação ao ídolo nas quatro linhas. – “Vejo muito o Neymar, mas também gosto do Cristiano Ronaldo e do Messi. É isso, tento me espelhar nos três” – diz.

Futebol - Comercial do Maranhão
Instagram @correioma