Alto Alegre do Pindaré sedia Festival Maranhense de Teatro Estudantil 

Mais de 100 atores e atrizes passaram por detrás das cortinas do teatro municipal de Alto Alegre do Pindaré e dez espetáculos foram apresentados

ESTADO  O Festival acontece em duas etapas: uma fora da capital São Luís, realizada em Alto Alegre do Pindaré, e a outra acontece no próximo fim de semana na capital.
Daniela Souza/ O Festival acontece em duas etapas: uma fora da capital São Luís, realizada em Alto Alegre do Pindaré, e a outra acontece no próximo fim de semana na capital.
Daniela Souza

Daniela Souza
Terça-feira, 06 de Novebro de 2018

Luz, Câmera, Ação! A sétima arte com artistas maranhenses entrou em cena na manhã do último sábado (3). Como não poderia ser diferente, foi uma manhã calorosa e que contou com a participação de artistas de municípios com menos de 100 mil habitantes, a começar por sua sede: Alto Alegre do Pindaré.  

Alguns artistas foram de trem, outros pediram patrocínio para o ônibus, alimentação, hospedagem e assim chegaram. Até então, o objetivo era chegar e mostrar o talento escondido fora da capital São Luís. De trás das cortinas logo se via o entra e sai dos artistas. Mais de 100 atores e atrizes passaram por detrás das cortinas do teatro municipal de Alto Alegre do Pindaré e dez espetáculos foram apresentados.

O monologo ‘O Menestrel’ (autor: William Shakespeare); O Sonho de Xica do Serrado (autor: Domingos de Almeida); Chapeuzinho Vermelho e o Lobo que não é Mal (Adaptação Benedito Cardoso dos Santos); O Preguiçoso (autor: Josué Costa com adaptação do filme Tapete Vermelho); A Ciderela do Sertão (autor: Isaac Veras); Revolução no Reino das Tapiacas (Autor: Francisco Cavalcante); Branca de Neve (autor: Os irmãos Grimm); Vida de Palhaço (Autor: Isaac Veras); Páginas de Circo e de Sertão que cabem no coração (autor: Francisco Cavalcante); O Fantástico Mistério de Feiurinha (autor: Pedro Bandeira).  

Crianças, jovens, adultos e famílias formavam o perfil da plateia de mais um Femate. Elizete da Conceição, de 12 anos, estava entre o público que foi prestigiar os dois dias de evento e falou como se sente ao ver espetáculos. “Eu me sinto motivada a estar no palco também porque são pessoas da minha idade, da minha cor, com os meus traços e eu me sinto representada por eles. Eles valorizam a cultura e a escola por meio do espetáculo”.  

A Gisele Pinto, gerente de relações institucionais da Vale, compôs a mesa de abertura e assistiu todas as apresentações. “Eu vim como convidada da prefeitura para participar e está sendo um privilégio e uma honra assistir os espetáculos no teatro de Alto Alegre do Pindaré, e é um privilégio para os jovens e para todas as famílias porque o município e o estado estão oferecendo algo a mais, além da escola”, destaca Gisele.  

A gerente avalia os espetáculos como sendo de qualidade e serve como exemplo para outros jovens. “No teatro eles conhecem a cultura do nosso estado e da região. Falar em público é outro ponto importante uso da ferramenta teatral; a dicção, oratória e desenvolve habilidades para exercer a futura profissão e serve como capacitação de novas campos profissionais”, pontua.  

O XXII Femate tem como objetivo discutir os valores culturais e oportuniza cada município o fazer teatral. O diretor do Centro de Artes Cênicas do Maranhão (Cacem) e membro da organização das atividades do Festival, Josimael Costa, explica como a atividade teatral é desenvolvida a partir das necessidades de cada município e estudante.  

“O teatro é cultura e o homem sem cultura não é homem e as escolas que participaram tenho certeza que saíram com novas perspectivas de atuação e isso para nós é muito gratificante. Esta é uma realização do governo do estado, da área de Cultura e Turismo do Cacem em parceria com a prefeitura municipal de Alto Alegre do Pindaré; essa parceria só se fortaleceu porque necessitamos efervescer o fazer teatral nos municípios do estado”, afirma.

  

Outro ponto ressaltado por Josimael Costa é o fato dos novos talentos estarem inseridos na escola. “O foco do Femate é a escola, pois os nossos talentos estão lá. Então quero agradecer e parabenizar os espetáculos que passaram nesse palco durante o festival. Aproveito para parabenizar o Centro de Ensino Urbano Rocha de Imperatriz que trouxe um espetáculo belíssimo com uma temática pertinente que é do trabalho escravo”. 

 O Festival aconteceu em duas etapas: uma fora da capital São Luís, realizada em Alto Alegre do Pindaré e a outra acontece no próximo fim de semana na capital. O tema deste ano é “O teatro como ferramenta da construção do conhecimento”  e contou com a participação dos municípios de Pindaré Mirim, Auzilândia, Imperatriz, Alto Alegre do Pindaré e Vitória do Mearim. 

Instagram @correioma