91 idosos foram agredidos em Imperatriz no primeiro semestre

Número registrado pela rede de proteção à pessoa idosa é preocupante. Em todo o ano de 2018 foram registrados 200 casos

IMPERATRIZ Sidney Rodrigues 91 idosos foram agredidos em Imperatriz no primeiro semestre
Hemerson Pinto

Hemerson Pinto
11/06/2019 16:50

A informação foi divulgada em audiência pública extraordinária realizada na última segunda-feira (10) na Câmara Municipal, com a participação do Conselho do Idoso e outras instituições que formam a rede de proteção à pessoa idosa na cidade de Imperatriz. 

O debate promoveu um painel discursivo com o tema Conscientização Contra a Violência à Pessoa Idosa. Os trabalhos foram iniciados pela vereadora que solicitou a audiência, Maura Barroso (PROS). 

O momento fez parte de uma série de atividades que serão executadas ao longo da Semana de Enfrentamento da Violência Contra a Pessoa Idosa, iniciada na segunda-feira, 10. 

Segundo a vereadora, “até agora antes do meio do ano já houveram 91 casos registrados de violência contra essas pessoas, mas são muito mais; ano passado foram quase 200", acrescentando que em Imperatriz cerca de 80% dos casos de violência contra o idoso surgem no ambiente familiar. 

As instituições que participaram da audiência pública sugeriram mais apoio do setor de segurança pública no sentido de investigar casos de abandono, cárcere privado e agressões praticados contra idosos até mesmo pelos próprios familiares. 

“Todo mundo deve estar nessa luta. Se resolve as coisas através de conhecimento, mas a audiência também serve para fortalecer a rede de proteção do idoso, além de gestos concretos, pois sem isso a audiência não tem sentido”, declarou a presidente do Conselho Municipal de Proteção à Pessoa Idosa, Conceição Formiga. 

As falas dos convidados chamaram a atenção para a possibilidade da Justiça anular situações de empréstimos feitos em nomes de idosos sem que estes tenham autorizado espontaneamente, ou mesmo sem que tenham o consentimento da operação que foi realizada. É um crime financeiro muito praticado contra a pessoa idoso, e por membros da família, segundo os órgãos da rede.  

Outros participantes lembraram a necessidade de políticas que melhorem a acessibilidade, com ações que desobstruam e adequem as calçadas para facilitar o trajeto de idosos, sem que os mesmos dividam espaços com veículos nas ruas. 

A audiência pública terminou com a formulação de algumas propostas:

  • Formação de uma comissão da rede de proteção para visitar empresas que fazem empréstimos. Que dificultem o uso de aposentadorias pelas pessoas que querem dar golpes ou familiares. Solicitação de uma Vara com juíz para pessoa idosa.
  • Ampliar a equipe do Centro de Referência em Assistência Social (CREAS), principalmente o quadro de psicólogas e assistentes sociais. Garantir a prioridade no atendimento ao idoso em todas as secretarias municipais.
  •  Trabalhar as pessoas da rede de proteção para que haja empoderamento e convicção de quem está envolvido.
  • Padronização das calçadas de pelo menos duas avenidas, Dorgival Pinheiro e Getúlio Vargas.
  • Palestras nas escolas mostrando aos jovens a necessidade do respeito e da valorização do idoso.
     
Instagram @correioma